__________ Itapema, suas histórias... __________

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

ITAPEMA, a praça é nossa!

VICENTE DE CARVALHO EM BUSCA DE SUA IDENTIDADE URBANA.

As praças toda vida me entusiasmaram. Pelos monumentos ali colocados. Por serem o poético espaço do povo. A municipalidade santoamarense deveria cuidar melhor desses nichos de convivência em nossa cidade. Refiro-me, num primeiro momento, à Praça 14-BIS e a rejeitada Praça da Fraternidade. Ainda que outras vão surgindo sem identidade definida.
Inaugurada em meados da década de 1960, a Praça 14-BIS sempre foi o ponto de referência como lugar de encontro coletivo do itapemense, dado a sua localização central. Homenagem ao "Pai da Aviação", que provavelmente teria cruzado essas terras a bordo da Maria Fumaça em direção a Estância Balneária, bem como o fato do Distrito sediar uma Base Aérea. Chamada pelos moradores mais antigos de 'Praça da Alegria', devido a visita da caravana artística animada pelo apresentador Silvio Santos e por Carlos de Nóbrega. Conforme o popular recente, alguns referem-se a ela simplesmente como, "Pracinha".
Antes disso, fora um pequeno bosque nativo remanescente da Restinga, no centro do Itapema, incrustado entre a Vila Pai-Cará, Vila Alice e Parque Estuário.
PRAÇA 14-BIS - BAIRRO VILA ALICE - CENTRO DE ITAPEMA/SP [2011].





Ao decorrer dos anos passou por diversas alterações urbanísticas [detalhe da imagem acima]. Possuiu noutros tempos, coreto, chafariz, auditório aberto, púlpito, tudo destruído pela imperícia de desastrados arquitetos. Havia ainda na praça, o Busto de Santos Dumont subtraído do seu logradouro característico numa dessas reformas, após certo abandono. Tais intervenções da municipalidade são dissonantes com os anseios reais dos munícipes.
"(...)Adorei saber que a Prefeitura vai reformar este local que há muito tempo pede por melhorias. A Praça é um local de encontro, principalmente para os idosos e merece atenção." - Disse a moradora de Vicente de Carvalho, Luzia Fernandes, entrevistada em 2006.
"Era uma vergonha o estado em que a praça se encontrava. A reforma vai ajudar os comerciantes, afinal ela é um cartão de visita. E do jeito que está, temos até vergonha de dizer que está e a nossa 14-BIS" - Queixava-se a espera do melhor Marilene dos Santos, proprietária a oito anos de um box no camelódromo em frente a praça, onde vende brinquedos.
Melhorias devem ser promovidas levando-se em consideração a memória do Distrito, mas os nossos especialistas literalmente cumprem o que falam:
"Depois de isolada, o maquinário vai entrar na área para iniciar o processo de demolição. Com isso daremos início ao detalhamento do projeto que prevê acabamento, decoração e aproveitamento total da área útil." - Explanou aos órgãos de imprensa o engenheiro Renato Camargo Barbosa, responsável naquele ano de 2006.







A Praça 14-BIS também é espaço muito requisitado e privilegiado para shows, além de eventos públicos. Nos carnavais dos anos 60, os foliões divertiam-se no 'Caldeirão de Momo' comandado por Bartolo e os ritmistas da época. Anualmente acontecem os tradicionais Festejos Juninos, com apresentações de artistas locais e também de expressão nacional.
UM DOS MUITOS SHOWS QUE ACONTECEM ANUALMENTE DURANTE OS FESTEJOS JUNINOS EM ITAPEMA/SP [2010].
EVENTOS DIVERSOS E CAMPANHAS INSTITUCIONAIS  SÃO REALIZADOS NO AMBIENTE DA PRAÇA 14-BIS.







O entorno da Praça mantém dia e noite, um importante comércio de carrinhos de lanches, pipoqueiros, máquinas de churros, sorveteiros, doceiros, tornando o local propício a momentos de lazer.
Evidentemente o assunto não se encerra aqui. A História repete-se com a Praça da Fraternidade... Lembro-me do entusiasmo que me causou enquanto garoto, a inauguração de uma outra praça nos moldes em que se pensou a praça à margem da Rua São Paulo, entre a Rio Grande do Sul e a Rua Sergipe, no Jardim Cunhambebe. Nessa época a 14-BIS já sofria com os equívocos arquitetônicos, os quais só desfiguraram-na, o mesmo ocorrendo nesta outra.
  PRAÇA DA FRATERNIDADE - BAIRRO JD. CUNHAMBEBE - (DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO) ITAPEMA/SP [2011].

Não entendo como uma praça pode se tornar playground, pura e simplesmente. Fazendo as vezes de Centro Comunitário ou entidade social. Criou-se a máxima de que praças de bairros, ou de periferia devem abrigar atividades esportivas, possibilitando ao povo despender energia física e alienar-se. Hoje a Praça da Fraternidade abriga quadra esportiva, rampa para skate, cancha de malha, quando sequer há incentivo público sério a tais atividades. É necessário adequar o espaço físico por hora atravancado. E outra coisa, preservar!
PRAÇA DA FRATERNIDADE [ITAPEMA/SP] NUMA VISÃO MAIS SIMPLISTA DE UTILIZAÇÃO DAS PRAÇAS.

Os ornamentos de uma praça devem simbolizar artisticamente a homenagem, ou seu homenageado, sua relação com a História da cidade. É espaço de convívio, lembrança e ensinamento. O pouco que havia do original, pessimamente reformado, como a marquise retangular revestida de pastilhas cerâmicas, num azul santomarense teve outra destinação. Seu calçamento em pedras brancas portuguesas, rodeado pelo mosaico de pedras alvas e marrons na forma de colchetes unidos, que a minha imaginação sugere arraias espalhadas pelo piso, tornou-se o sudário do descaso.
Do seu palco coberto com pequeno fosso à frente resta um silêncio aterrador. Diferente da praça que também cedeu lugar aos Festejos Juninos. Onde nos fins da década de 70 realizou-se shows do inédito 'Festival de Verão', transmitido pelo canal 2 VHF da TV CULTURA, de São Paulo, com grandes nomes da música brasileira. Se a memória não me trai (pois eu iniciava a pré-adolescência), Rita Lee foi uma dessas grandes estrelas que aterrissou em solo itapemense.
PRAÇA DA FRATERNIDADE - ITAPEMA/SP [2011].

Não é saudosismo piegas, não! Restringiu-se a utilização dela em troca de uma suposta tranquilidade da vizinhança, reproduzida em alheamento. Isto posto, sou favorável a reserva da área para construção de um Centro Cultural (de pelo menos 2 pavimentos) contemplando sala de espetáculo, galeria de arte, salas de ensaio e aulas. Com a transferência da atual praça para os terrenos junto a ferrovia de carga, ao lado da Av. Presidente Castelo Branco, mais adiante.



Ainda nesta parte central (esquina da Rua Bahia e Av. Thiago Ferreira) temos a Praça Poeta Vicente de Carvalho, urbanizada em 1966. Já teve chafariz e felizmente conservam o Busto do "Poeta do Mar", que dá nome ao Distrito.
    PRAÇA POETA VICENTE DE CARVALHO - VILA ALICE - ITAPEMA/SP [2011].

Ali funcionou o Serviço de Alto-Falantes, do Antônio Baraçal entre as décadas de 50 e 60. Durante muitos anos abriu as portas defronte a calçada da praça o 'Skina Lanches', reduto de rockeiros e figuras distintas do Itapema.





Na Praça aconteceu o 'I Encontro de Escritores de Guarujá', em Julho de 2005.









[ao violão Zezão, como intérprete Raquel Maciel Domingos - evento literário em Vicente de Carvalho  - 2005]



[Praça Poeta Vicente de Carvalho, "o Poeta do Mar" - Itapema 2011]


A urbanização do Itapema tem favorecido o surgimento de novas áreas de convivência. Poderíamos citar, numa região mais distante, a Praça Mario Covas (bairro de Morrinhos) às margens da Av. Antenor Pimentel.
A Praça Leonardo Santos Castro (Vila Áurea), depois de anos de lama e mato, foi oficialmente inaugurada em 19 de Abril de 2005. Igual podemos dizer da Praça Padre Cícero, neste mesmo bairro, homenagem ao beato cearense e às tradições nordestinas que ajudaram a formar Vicente de Carvalho.
PRAÇA MARIO COVAS - BAIRRO DE MORRINHOS - (DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO) ITAPEMA/SP. 
PRAÇA PADRE CÍCERO - VILA ÁUREA - ITAPEMA/SP.

No "fundão" do Pae Cará, Praça Eduardo Santos Cláudio, entre a Rua Júlio Pedro Pontes e a R. Joana de Menezes Faro, em frente ao 'Clube de Criadores de Curió de Gjá e Vicente de Carvalho', urbanizada em 23/Fevereiro/2008. Este terreno já foi Pista de Bicicross e campinho de futebol. Era aí que ensaiava para o carnaval da Ilha (anos 80), a querida G.R.E.S. 'Pérola do Atlântico', dirigida pela (cidadã-samba) Marlene dos Santos - a geniosa "Nega-Onça".
Agora em 2011, tivemos a entrega da Praça nos terrenos "das Torres" (Pae Cará), com instalação de bancos, balanços, pérgulas. Apesar da benfeitoria, considero simplista a utilização da área. Melhor seria o embutimento subterrâneo dos cabos de alta-tensão, possibilitando assim o aproveitamento considerável desta faixa importante de terrenos no Distrito. Ali poderiam ser construídos Centro Comunitário, Unidade de Saúde, Creche, Escola, Casa de Cultura etc, além duma praça.
  PRAÇA EDUARDO SANTOS CLÁUDIO - BAIRRO PAE CARÁ - (DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO) ITAPEMA/SP [2011].
PRAÇA "DAS TORRES" - PAE CARÁ - ITAPEMA/SP. 

Significativo é constatar, conforme a análise inicial, estarem desprovidas do elemento cultural que as caracterizaria. Tanto que mencionar certas outras praças  como tal soa um pouco exagerado, seja pelo espaço exíguo, dadas as atribuições desvirtuadas das mesmas.









Porém aí estão, sombreados por pares de chapéus-de-sol (pé de cuca), palmeiras, ipês, raros manacás, tendo a disposição alguns bancos, mesinhas e banquetas em torno de "monumentos-lápides" (sólidos de concreto), a ostentar placa de metal com o nome do homenageado... Quando existem! 
Como exemplos deste modelo cito a Praça 1º de Julho, incrustada nas "Casas Populares" do Pae Cará, batizada assim em 30/06/1988.
Praça Joaquim de Paulo Rocha, urbanizada em 10/05/1992, na bifurcação da Rua Martins Fontes e R. Paraná (Jardim Santense).
Praça da Bíblia Sagrada, entre a Rua Bahia e a R. 24 de Agosto, no bairro Vila Alice. Ao centro da praça há um pequeno monumento representando uma bíblia aberta estilizada, com a inscrição do Salmo 23.
PRAÇA 1º DE JULHO - BAIRRO PAE CARÁ - ITAPEMA/SP [2011].
PRAÇA JOAQUIM DE PAULO ROCHA - JARDIM SANTENSE - (DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO) ITAPEMA/SP.





[Praça da Bíblia Sagrada, detalhe]
PRAÇA DA BÍBLIA SAGRADA - BAIRRO VILA ALICE - ITAPEMA/SP [2011].

No caminho da R. Gaspar da Silva (Pae Cará), Praça Paula Ernesta de Santana.
Praça José Almeida dos Santos, próximo a Escola 'Marcílio Dias' (Vila Alice). Já nominada Praça Maurício Dias.
Praça Francisco Ferreira Silva (Pescador), instituída pela Lei Municipal nº 2.507 de 19/11/1996 (indicação 059/96), no Jardim Boa Esperança, ao lado da ciclovia da Via Santos Dumont.
PAULA ERNESTA DE SANTANA - BAIRRO PAE CARÁ - (DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO) ITAPEMA/SP [2011].
PRAÇA FRANCISCO FERREIRA SILVA (PESCADOR) - JARDIM BOA ESPERANÇA - ITAPEMA/SP.
PRAÇA JOSÉ ALMEIDA DOS SANTOS - VILA ALICE - ITAPEMA/SP.

Neste, por assim dizer, passeio pelas praças do Itapema/SP reforçamos a idéia de urbanidade plena, uma das funções importantes da Administração Pública. Mesmo não sendo urbanista, mas escritor, ao tornar a cidade cenário de algumas estórias minhas acabo por sê-lo.
Fora as queixas supracitadas, o que há de minha parte são certas lembranças da adolescência nesses recantos. Naquela época a gente namorava andando pelas ruas escondidas do centro ou montado numa "magrela", um dos muitos apelidos que dávamos à bicicleta.



[detalhe Praça João Guerra]


O melhor ao namorar de madrugada na acanhada Praça João Guerra, sob à penumbra do raro chalé assobradado da Rua Cunhambebe, era o fato de não haver um busto nos vigiando (senão o arfante intranquilo das namoradas) e ainda, aproveitar-se do tosco "monumento-lápide" para nos escorar.
 PRAÇA JOÃO GUERRA - JARDIM CUNHAMBEBE - ITAPEMA/SP [2011].

Ali depositava nos frágeis braços da meninas a oferta deste coração nem sempre aceita. Cujas palavras do poeta Rimbaud fazem a nota de um certo ressentimento:
"Ó minhas pequenas namoradas,
 Como vos odeio!
 Coloquem algum recheio
 Em vosso seio!..." - Mas eu reconheço, só amor as vezes é pouco. Não as culpo totalmente, protótipos de mulheres!... Por instantes senti a tepidez de seus lábios. Suas bocas arriscarem segredar ensaiando para um futuro verdadeiro amor, o sincero "Eu te amo".

sábado, 5 de novembro de 2011

RIDE, ITAPEMA...


Esta estória em estilo anedótico foi recolhida do livro 'Nos Tempos de Nossos Avós', de Olao Rodrigues, 1976. Ocorrida provavelmente nos anos 20. Aqui descrita com certa licença poética se me permitem. [no detalhe do quadro de Calixto, ao fundo ITAPEMA/SP]
Um sujeito encontrou-se com outro na Praça da República, imediações do cais, próximo ao Terminal Flutuante das Barcas e disse sério:
- Você ainda aqui? Corre, Joaquim!... Pegue a primeira barca pro Guarujá, vá rápido para casa que ela está pegando fogo e tua mulher está lá em perigo.
- Ai, é!?...
- Depressa, Joaquim!

[à direita a barca PAQUETÁ]



Ouvindo-o espantado, sem palavras, o tal Joaquim saiu em desabalada carreira e apanhou a barca Paquetá prestes a sair das docas. A pressa era tanta que atrapalhou-se todo com a perda do bilhete, quando foi solicitado...
- Juro que paguei, senhor... Está aqui, em algum lugar, nos meus bolsos...
Lá adiante surgiu o Farol e o prédio caiado da Estação Itapema. O mar marulhava crespo. Vivia os vinte minutos mais angustiantes de sua pacata vida... É possível que não salvasse nada!
   ESTAÇÃO DAS BARCAS EM ITAPEMA/SP.



Porém antes de apanhar o bonde elétrico ali no "Pontão das Barcas", pensava atarantado tendo na mente a imagem duma mulher esturricada feito churrasco... Parou, refletiu e chegou a seguinte conclusão:
- Ó, raios!... Não me chamo Joaquim. Não moro no Guarujá, nem sou casado... Que diabo vim eu parar aqui?
Resta saber se o gajo era português mesmo. Santista supõem-se que fosse... (Risos, eu espero). Deixa pra lá, é só um revide de ilegítima descendência portuguesa.