__________ Itapema, suas histórias... __________

sábado, 21 de julho de 2012

FILHO CRIADO DE PAI CARÁ

TRECHO DO CALÇADÃO - DÉCADA DE 1980 [ITAPEMA/SP].

Cismada com as escapulidas do marido nas noites do 'Ôba-ôba'e S.A , Ela necessitava de uma confirmação. Seguia-o quando saía, revirava-lhe os bolsos do paletó numa busca infrutífera. O D. Juan tinha meios de despistá-la. Passeando desnorteada pelo centro encontrou um panfleto jogado no calçadão...

Ao chegar no endereço uma voz rouca chamou de dentro, a brasa do charuto reluzente na escuridão. Do defumador recendia um incenso fedido, daqueles que espanta não só mal olhado.









Sem ela dizer palavra, Pai Daum se pôs a matraquear. Caso conhecido o dela. Vinham muitas naquela situação. Consultaria as forças superiores com o celular. Digita, tenta... Contudo, parece que o caboclo andava ocupado. O jeito seria o método tradicional. Estrebuchou, fez caretas... E pimba!
- Misifia tá pricisanu si banha nu discarregu. - Receitava o Preto-velho. Doutor em religião, mas versado na asnice completa.
- Tá ruim assim!
- Us caminhu trancafiaru. U sapu du trabaiu num morreu nã. Ingasgô cum tu nomi. - Proferiu bolinando a cliente com passes de cima a baixo. Detendo-se naquelas partes que mais lhe atraíam.
- E foi!?... feitiço?
- Óia, mundiga. I das braba!... Ih, ih,ih!! - Oh, guia safado aquele! Perdera o corpo porém, não abrira mão da sacanagem.
- O senhor ri...
- Mi ri nã. É u santu. - A pretexto do Ebó besuntou mel nela toda e deu-lhe um banho de língua.
De volta, o marido estranhou que estivesse coberta de hematomas. Ela então disse. Meia hora depois o fulano possesso meteu a pezada na porta do "terreiro". O Guia, pronto pra outra, escapuliu assustado antes que o "cavalo" tombasse crivado de balas.
 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A MORTE DE SANTOS=DUMONT NUM CARTÃO-POSTAL


ESTAÇÃO DAS BARCAS EM ITAPEMA/SP.

                                          Itapema, já tarde em Maio de 1932.


                    Em teu singelo brasão incrustado
                    À guarda de dois peixes quiméricos,
                    Marinho esplendor da Vieira-rainha
                    Transpõe o ser os umbrais do duo tempo:
                    Eis a gare de incertos destinos vãos!
                    Visagem remota prosopopéica,
                    Episódio por nós desconhecido...

BUSTO DE SANTOS=DUMONT NA BASE AÉREA [ITAPEMA/SP].

                    Tendo singrado no vapor Paquetá
                    A falsa quietude das águas turvas
                    Desembarca aqui na vila humilde,
                    Onde lamacento espraia o Guaibê,
                    Um abatido inventor visionário
                    Que nos desvendara os mistérios do céu
                    Pondo na moderna realidade
                    A imaginação de Julio Verne.
                    Fantasia que o Homem só sonhara
                    Mas, sem querer dera asas a vilania.

 VISTA AÉREA DO FORTE DE ITAPEMA/SP, AO FUNDO O DISTRITO.

                    Urge seu sinal a Maria-Fumaça
                    Chamando ao metálico Aqueronte.
                    Ladram famélicos os cães inquietos,
                    Um vozerio matuto sobre o largo -
                    Adiante rumo à travessia!
                    Sob o ocaso constitucionalista
                    A lancetar sangrenta os ares rubros
                    Ergue-se a torre do Forte do Pinhão,
                    Triste glória de breves armistícios
                    Cessos às ruínas dum monumento...
                    Assim consulta pois tua consciência,
                    O breu da noite paulista se anuncia.

A BALDWIN CRUZA O CHÃO ITAPEMENSE.

                    Logo rangeu a locomotiva seus vagões
                    Neste caminho sem volta do Itapema...
                    Repentinamente pétrea teve a face,
                    O coração opresso ao busto escrínio
                    Em uma tão gélida e imóvel efígie,
                    Quando deparou com a velha mangueira
                    Ali impassível à beira da jornada.
                    Cuja lenda assim relatavam sombrios
                    Uns pasmos molecotes carregadores -
                    Nela pendera um amoroso enforcado!

AV. SANTOS DUMONT, NO DISTRITO DE VICENTE DE CARVALHO [ITAPEMA/SP].

                    Via Santos=Dumont aquela que lhe seria
                    Póstuma via revestida pelo asfalto,
                    "Na vargem grande cobiçada" estirar-se.
                    Ficam chalés, meandros entre os bambuzais,
                    Pátrios bananais suas folhas desfraldadas,
                    Voa dali fugidio o Tié encarnado
                    E a Suinã floresce antecipando o inverno.
                    Tudo passa além disperso no olhar baço
                    Por mais que procure beleza distinta,
                    Pouco há à margem esquerda da vida.

PANORÂMICA DE ITAPEMA/SP.

                    Sábio foi o poeta viajor ao deslindar:
                    "(...)desolada pantanosa repleta
                    de palmeiras espinhosas..." - Vê Cendrars?
                    Porquanto, ela caiba nesses olhares
                    Com estranha agudez melancólica.

A MARIA-FUMAÇA CORTA O ESTREITO ENTRE O MORRO DA GLÓRIA E SANTO AMARO.

                    Porém, sem muita demora por ironia
                    Pois nosso fadário sempre nos alcança,
                    A Baldwin penetra a garganta da Glória.
                    Estonteante paraíso vislumbrava:
                    Hélas, Guaru-ya! Indefinível Tupi.
                    Mimosa maquete, joguete de armar...
                    Paralipse que da régua transmutou-te
                    Geórgicas hipotenusas ianques,
                    Vértices borcos à sombra dos jerivás.
                    Balneário de tolos extravagantes,
                    Reino soberbo da excelsa profundura
                    Onde o belo se confunde com lindeza.

 A ESTÂNCIA BALNEÁRIA NA ILHA DE SANTO AMARO, POR BENEDITO CALIXTO.

                    Benvindo aqui jaz belle époque caiçara!
                    Ouve, harpejam inconsoláveis sereias.
                    Como a ti querem um tanto só consolar
                    Na fátua ardentia salina do Atlântico...
                    A leste do Éden podes enfim descansar.

ÍCARO DE SAINT-CLOUD HOMENAGEM DOS FRANCESES AOS FEITOS DE SANTOS=DUMONT.

                    Inspira a brisa morna vinda da orla
                    Em pélagos tormentosos se aprofunda,
                    Persegue-lhe renitente fedentina.
                    Nosso Ícaro demais bem sucedido
                    Porém, cuja alma pez desejava voar
                    "(...)no vácuo obscuro, em limbos de trevas..."
                    O céu, este zênite oceano do ar
                    E vencer o vazio do próprio abismo.

O 14-BIS ALÇA VÔO NO CAMPO DE BAGATELLE.

                    Por um Dédalo divinal inspirado
                    Que confia somente a Dumont outro feito,
                    Maquina ele alcançar distantes estrelas
                    Saído do baixo chão, da terra fria:
                    "- As coisas são mais belas vistas do alto
                    tendo à frente senão meu objetivo."
                    Qual se nisso lançasse os dados da vida
                    Sobre o pano bleu deste infinito.

O TRADICIONAL PASSEIO DE CHARRETE PELAS PRAIAS DO BALNEÁRIO.

                    Tristonhas meditações pelas alamedas
                    Nesta inglória luta a repelir vil fantasma
                    Daquele trágico sortilégio materno.
                    Ao sabor das vagas constantes nos rochedos,
                    Dos passos vacilantes que somem na praia,
                    Também as pitangas espargidas nos galhos
                    Sugerem-lhe ser púrpuras gotas de sangue.
                    Hiato lírico dum coração combalido
                    Em meio à trincheiras cavadas por sepulcros,
                    Feito seu invento anjo sinistro da guerra...
                    Naquele trajeto ermo do charreteiro
                    Tomou das rédeas o seu célere destino
                    A conduzir Pégaso num vôo celestial.

CARTA ABERTA DE SANTOS=DUMONT AOS PAULISTAS DURANTE A REVOLUÇÃO DE 1932.

                    Era um pássaro a arrastar suas asas no chão,
                    Só enxerga fealdade aos rés deste mundo
                    Mesmo que a natureza venha lhe colorir
                    Essas tão belas e generosas marinhas.
                    "Ilhaverde" de hipnotizante arrebol,
                    Cenário equívoco de ilusão absoluta!
                    Paisagem da experiência desumana
                    Somente ao nosso herói não cegava as chagas,
                    Quando o cego tem as retinas eclipsadas
                    Em ocultar a si particular mentira...

 À DIREITA SANTOS=DUMONT E AMIGOS NA ESTÂNCIA BALNEÁRIA.

                    A eternidade, moribundos transeuntes
                    Ainda que prenuncie tal termo na véspera,
                    Numa longa noite insólita sem aurora
                    E repetição constante dum crepúsculo,
                    Póstera não dura mais que um breve dia.

 JORNAIS NOTICIAM O PASSAMENTO DE SANTOS=DUMONT.

                    Então... Sábado, 23 de Julho
                    De 1932.
                    Enquanto as Portulacas desabrocham
                    Despertas pelo sol tépido invernal
                    Nesta fantástica Icária tropical,
                    Precipício deste vôo malogrado...
                    Com aquele tenso nó na garganta,
                    E duma gravata que lhe sufoca
                    Um travoso santo gosto amaro -
                    "Sois heureux, envole-toi dans les airs."

O CORPO DE SANTOS=DUMONT SEGUE DAQUI NO EMBLEMÁTICO CARRO FUNERÁRIO.

                    Linda Guarujá, mórbida guarida!
                    Estância de virtudes, belos vícios.
                    Pérola preciosa a embelezar suínos,
                    Cartão-postal deste último instante:
                    Foste propícia pousada ao suicídio.