__________ Itapema, suas histórias... __________

quarta-feira, 28 de junho de 2017

UM ARCO-ÍRIS SOBRE ITAPEMA

PANFLETO DA '1ª PARADA LGBT DE GUARUJÁ' REALIZADA NO DISTRITO ITAPEMENSE/SP CONVOCANDO A COMUNIDADE GAY [2012].

O fim-de-semana do feriado da Independência brasileira, em 2012 prometia ser bem agitado em Guarujá. Domingo, 9 de Setembro era a estréia da PARADA LGBT na Estância Balneária. Muito embora a ocasião glamourosa fosse na "Pérola do Atlântico", o evento aconteceu em ITAPEMA/SP e surpreendeu as expectativas dos participantes. Tendo cobertura jornalística do blog 'Baixada em Cores', guia exclusivo destinado ao público LGBTT da região.
"O preconceito é o último dos sentimentos que alguém deveria ter, fizemos o possível para realizar a Parada, façam o possível para se divertirem também." - Foi com estas palavras que a idealizadora da '1ª PARADA LGBT de Guarujá', Bebê Pazanelly deu início ao percurso que os foliões fizeram desde a Av. Santos Dumont até a apoteose na Praça 14-Bis, centro do Distrito itapemense.
A '1ª PARADA LGBT' BY BEBÊ PAZANELLY INICIA SEU PERCURSO NA AVENIDA SANTOS DUMONT [ITAPEMA/SP] 2012.

Aproximadamente 2 mil pessoas passaram pela Parada participando da festa da diversidade sexual. A garoa fina só fez cintilar ainda mais o arco-íris, que se estendia por uma das principais avenidas da cidade. Bem como, a modesta infra-estrutura da primeira edição do evento gay não diminuiu o entusiasmo das pessoas. A festa do orgulho gay a princípio concentrou-se na Av. Santos Dumont, esquina com a Rua Joana de Menezes Faro a partir das 16:00 h., mantendo-se ali até pouco mais das 18:00 horas.
A BANDEIRA LGBT CINTILA NA NOITE DO DISTRITO ITAPEMENSE/SP [2012].

Movida por muita música e alegria, reunindo gente fantasiada, gays ou simpatizantes da causa, logo a Bandeira LGBT foi estendida e tremulou aplaudida pela avenida, qual marcou a largada da Parada Gay. Hits musicais nos Trios Elétricos envolveram o público pelas quadras seguintes rumo ao palco da Praça 14-Bis, chegando por volta das 19:30 h., onde o evento culminou com empolgante trilha sonora, shows, concursos e divertimento até a emblemática meia-noite...
A BANDEIRA DA '1ª PARADA LGBT' UM ARCO-ÍRIS SOBRE ITAPEMA/SP [2012].

Bebê Pazanelly, homossexual assumida, revela que trabalhou por um ano e meio para conseguir finalmente realizar esta '1ª PARADA LGBT', sendo a coisa que mais a motivou foi o preconceito da sociedade a respeito da opção de gênero sexual. Frequentadora da Parada Gay de São Paulo, a travesti Pazanelly há muito sonhava trazer a festa da diversidade para a cidade litorânea:
"(...)O objetivo é combater o preconceito, porque eu sofri também, tanto na rua quanto dentro de casa." - Segundo Bebê Pazanelly, a Parada tem propósito de estabelecer uma data de luta. Ainda que pareça um evento carnavalesco, seu intuito é também combater a homofobia e gostaria de incluir a PARADA LGBT oficialmente no calendário do município. Disse a organizadora à mídia.
O PÚBLICO SEGUIU A '1ª PARADA LGBT' PELA AV. SANTOS DUMONT [ITAPEMA/SP] 2012.
GRACIOSA PARTICIPANTE DA '1ª PARADA LGBT' [ITAPEMA/SP] 2012.

Ao embalo de música Eletrônica, Disco, Pop e inclusive Funk desfilaram 2 mil adeptos da Liberdade. Algumas pessoas estavam vestidas das mais diversas formas possíveis. Muita gente trajada de forma casual. Mas não faltaram perucas extravagantes, óculos coloridos, fantasias de carnaval. Além das exuberantes Drag Queens. Entre as atrações o popular Dj Cabral e Artistas do cenário LGBT de São Paulo.
DIVERSAS ATRAÇÕES DA '1ª PARADA LGBT' BY BEBÊ PAZANELLY SE APRESENTARAM NO PALCO DA PRAÇA 14-BIS [ITAPEMA/SP] 2012.

As personalidades do universo gay já conhecidas na Baixada Paulista também agitaram a noite. A Drag Camila de Oliveira, qua atuava há mais de sete anos como performer, se apresentou às 21 horas, no palco da Praça 14-Bis. A maquiagem estava impecável e Ela distribuía sorrisos entre o público embasbacado. Moradora da cidade, não poderia deixar de comparecer a este momento tão significativo:
"Eu me sinto muito orgulhosa de estar aqui. Tudo nessa vida se começa com humildade. Hoje eu vou ter a humildade de me apresentar de graça, porque esse passo é muito importante para a cidade."
UMA BELDADE DA DIVERSIDADE GAY NA '1ª PARADA LGBT' [ITAPEMA/SP] 2012.

Outra que marcou presença seria a Madrinha de São Vicente, Atila Rios, também chamada "Dama da Noite". Famosa na região foi bastante assediada. Tirou fotos e ainda apresentou algumas atrações no palco do evento, como os concursos de dança e "bate-cabelos":
"Para mim, estar aqui é voltar ao passado. Eu me apresentei nesse palco há 15 anos e estar aqui hoje para prestigiar é muito bom..."
GLAMOUROSA REPRESENTANTE DA DIVERSIDADE GAY PRESENTE À '1ª PARADA LGBT' [ITAPEMA/SP] 2012.
 

Uma ausência notória foi da Madrinha de Guarujá, Xuxa Rios [imagem à direita], anunciada anteriormente como homenageada. Por motivos de força maior, a estimada travesti do Distrito esteve impossibilitada de participar.
No principal momento da noite aconteceu o primeiro Beijo Gay Oficial da cidade, protagonizado por um casal morador de Guarujá, do Bairro Santo Antônio, levando o público ao delírio, que exultava: "Não ao Preconceito!"
PRIMEIRO BEIJO GAY OFICIAL DA PARADA LGBT [ITAPEMA/SP] 2012.

Bebê Pazanelly e Atila Rios souberam comandar a Festa Gay, que contou com muita segurança, agito e sobretudo, respeito. Podia-se facilmente perceber que os moradores do Distrito itapemense, junto aos seus filhos também estavam curtindo o evento naquele domingo. Um marco para avançar cada vez mais o combate à homofobia. O público presente feliz com a conquista. A estudante de Pedagogia T. M. S. acredita que a cidade necessitava de um incentivo contra o preconceito:
"Não tínhamos algo do gênero para mostrar nossa força. Não querendo fazer apologia, mas as pessoas precisam saber que somos todos iguais." 

terça-feira, 20 de junho de 2017

GRETA JEAN, a international da margem esquerda

GRETA JEAN, "A PEONEIRA DE ITAPEMA" FAZENDO HISTÓRIA.

Desobedecendo ordens expressas do Capitão, o tripulante filipino evadiu-se do 'New Ventureri' então atracado no cais de Conceiçãozinha, na margem esquerda itapemense do Porto. Era a primeira viagem ao Brasil.
Longas semanas no mar deixavam sua libido em polvorosa. Informado dos "points" da cidadezinha, pelos "patrícios" estivadores do terno daquele dia zarpou ali pros lados do Rio "da Pouca Saúde", próximo ao Hospital... O píer fincado ao mangue, os sons metálicos, maquinários rangentes, equipamentos ruidosos, composições de carga se chocando, tendo cruzado o ramal ferroviário ficara para trás. Logo o cenário urbano de ITAPEMA CITY se descortinou, a noite lilás sobre o baixo casario do Distrito, de luzes corruscantes pelas luminárias dos postes, dois cães que perambulavam bairro adentro, uma música que tocava alto ao longe numa festa, o varum ocasional dos carros...
Caminhando pela ciclovia, às margens da Via Santos Dumont, avistou um bando de fêmeas à sombra dum muro. O perfume que espalhara abundante recendia ao sereno da noite, misturado a envolvente nuvem de nicotina do seu cigarro Camel.
- Quer fazer amorzinho, bem? - Adiantou-se a bicha da vez. Deu um giro e fez pose mostrando toda sua exuberância, enquanto baixava o bustiê.
"Como ouvi dizer... Brasileira, mulher diferente!" - Pensava consigo na língua pátria lamber-lhe os seios... Deixa cair a bituca incandescente pensa nos lábios.
- Ih, que foi! O gato comeu tua língua?... Cachorrão!! - Se ela desconfiasse do gosto exótico dele por cachorros, e nem precisavam ser de estimação. - Quer que a Greta seja a tua cachorrinha?...

- "Patrícia"...! - Tentou se comunicar.
- Oh, que bonitinho!... Patrícia não, benzinho... Greta Jean. - E cobriu suas tetas apetitosas com a tira de pano colorido envolta do busto.
O marinheiro fillipino, feito um peixe fora d'água, gesticula querendo saber o valor do programa. Só daí, Greta percebeu que o "bofe" era gringo.
- ...Eu achando que seria um guapo filho de índio, menina...! - Pensou surpresa em voz alta.
- Love, "patrícia"... Sex.
- Fuck me you??... $30 dólares. Tem? - Ele pareceu entender o valor.
- Faazzz tuuu-do, né... - Arriscou transpor as dificuldades da língua e se fazer entender.
- Mais $20 dólares, I make deep throat bem gulosa.
Entusiasmado quis encher a mão embaixo...
- Ai, honey! - Assustou-se ela. - Devilzinho!! Área de lazer... Not. Interditada, viu? Dangerous... A Gretinha aqui está "naqueles dias" do mês... Bloody Mary!
- What!? - Continuou ainda a boliná-la quase descobrindo-lhe o segredo. 
Nisso a travesti conduziu a mão do marujo e firmou em suas nádegas sedosas. Virou de costas e delicadamente inclinou-se rebolando charmosa.
"Quando contar pros meus amigos lá em Palawan, que saí com um mulherão desse adepta das posições do Kama Sutra, eles vão me invejar." - Satisfazia-lhe o pensamento no dialeto do seu país.
- O tchan... Ok! - Fez com o dedão positivamente, a unha pintada de esmalte vermelho da Avon.
- Thii... aan. - Tentava soletrar o filipino. - Thian! Is beautiful!! - Riu acanhado deixando à mostra sua banguela.
- Yes... Satisfaction garantida. Made in Brazil. - Esfregou-se nele dengosa.
Sedento tirou uma garrafa miniatura de whisky Black Horse dum bolso da jaqueta Levi's surrada, bebendo de um só gole.
- Enjoy, my boy... Pois para o álcool todas as gatas são pardas. 
- Yeah! Yeah! Very good!
- Like disto?... - Greta lasciva estapeou o próprio traseiro. - Let's go. - As amigas ovacionaram deleitadas. - A moment please, girls... Hoje eu estou international, tá! Lombinho recheado com linguiça importada... - Saiu aos abraços com o marinheiro, dobrando a esquina da Rua Manoel Otero Rodrigues para uma improvisada alcova na urbe itapemense. Greta Jean ganhava fama, já havia dado pra todo mundo. 
       

quarta-feira, 14 de junho de 2017

GRETA JEAN, a peoneira de Itapema



Nascido de batismo Antonio Maria Durão. Porém, numa dessas ambiguidades da "natureza humana" descobriu-se Greta Jean. Uma legítima "pérola do atlântico" refulgente no ostracismo do Distrito itapemense... Seu padrasto maldizia, puta que o pariu era o cúmulo um filho-viado emprestado! Parentes que o viram ainda homenzinho, escandalizados. A mãe resignada vinha em defesa, pois sempre quis uma filha.
Greta decidiu sair de casa e viver essa sua identidade feminina. Resoluta foi morar num "quintal de cômodos" no bairro Vila Áurea. Aprendeu a ganhar o sustento nas esquinas correndo riscos, quando o pudor impedia as moças de família do lugar ou alguma forasteira desabusada, de virar prostituta... Puta conhecida e apontada: a "Peoneira de Itapema", na tresloucada década de 1980. Que anos aqueles! Complementava o aluguel fazendo unhas mais penteados das amigas, vendia lingeries...
...Desde o princípio percebera as coisas de viés. Esse notório estranhamento. Na escola chacota dos garotos por seu jeito frágil. Tempos depois, os policiais que iam lá ensinar bons costumes ao chutar-lhe o traseiro sensual. A sociedade que cuspia e atirava pedras a condenar pela sina escolhida. Repetidas noites que passavam de carro pela Via Santos Dumont e gritavam piadas.
- Eu sou é muito macho, pra estar aqui!!... - Subia nas tamancas cansada de ser enlameada.
CONHECIDO POINT DAS TRAVESTIS NA ESQUINA DA RUA MANOEL OTERO RODRIGUES [ITAPEMA/SP].
  
Greta Jean trazia no corpo as marcas do martírio: silicone, hormônios, depilação a laser, mega-hair... A própria borboleta do asfalto. Beleza incomum de formas feminis, pele dum caramelo aveludado, seios mamilosos, coxas bem torneadas, a bunda tesa atraente. Irresistível para alguns anônimos do sexo masculino...
O traveco sonhava com Milão, shows nas boates paulistanas, dias de glória no carnaval. Desfrutar a Estância Balneária somente em passeios de veraneio. Era de Virgem e queria encontrar um "bofe" de Capricórnio. Assim distraia as horas, entre cigarros e drops, naquele penoso aguardo da clientela.
Já pelas tantas da madruga apareceu Tião. Montado no seu bruto, castigando firme no freio a ar do possante "cavalo", calotas faiscantes na sarjeta... Uma cavalgadura de pessoa. Cavalheirescamente escancarou a porta do caminhão. Dentro da cabine tocava um dos sucessos da dupla sertaneja 'João Mineiro & Marciano', todo o painel luminescente, os ponteiros tesos estremecidos dos arranques do motor.
- Como é...? Tô cum apetite daqueles, belezura! - Sorriso sádico no canto da boca, olhar faminto. Tião escorregou pelo banco de couro para o estribo do veículo. Só de calça jeans caída até a virilha, o torso másculo desnudo.
Greta estremeceu dos tamancos à peruca, o lumbago latente despertou em pontadas.
- Virgem nossa!? Donde saiu isso?
- Hoje quero variar. Fazer um troço diferente... Sexo animal, manja? - O caminhoneiro errante avançava o sinal empurrando a pobre boléia adentro, as fuças debaixo da mini-saia a morder-lhe as nádegas aflitas.
- Ai, meu deus! Por que não nasci mulher? Todo mundo quer me ver pelas costas.